Equipe de TI: Dicas práticas de como montar a sua do zero

Tempo de leitura: 7 minutos

Para quem busca ter uma empresa mais tecnológica e inovar nos seus projetos, um dos primeiros passos deve ser estruturar uma equipe de TI. Se essa tarefa não receber a devida atenção, pode causar atrasos e prejuízos.

No cenário atual existem várias novas empresas, startups e muitos novos empreendedores. E todos estão buscando inovar, se encaixar no contexto de hoje, onde qualquer produto ou serviço fica para trás se não estiver usando a tecnologia a seu favor.

Seja você um novo empreendedor ou o CEO de uma Startup que recebeu investimento recentemente, você terá que lidar com essa situação. Montar uma equipe de TI bem estruturada será essencial para o sucesso do negócio. E lidar com o mercado de TI não é para qualquer um. Costuma ser desafiador mesmo se o recrutador tiver experiência com tecnologia.

É essencial encontrar alguém que tenha as competências técnicas que você precisa, o perfil comportamental que encaixa na sua companhia e as habilidades interpessoais requeridas. E isso tudo dentro de um mercado que está em alta e os melhores profissionais são disputados.

Este post é parte de um material mais completo, o eBook Como Montar Sua Equipe de TI do Zero. Ele vai te ajudar a entender quais cargos você precisa na sua equipe, quem contratar, quais são os erros mais comuns no processo de recrutamento e as diferentes dinâmicas que podem ser criadas. Quer aprender um pouco sobre tudo isso? Continue lendo!

Aprenda sobre os cargos de uma equipe de TI

Para conseguir estruturar uma equipe de tecnologia, é fundamental saber primeiro quais cargos você vai precisar contratar. Se já existe alguém na empresa que entenda sobre as opções de carreira em TI, já facilita no planejamento da estrutura.

Mas se não, é legal saber pelo menos o básico. Se a pessoa responsável entende o que é e qual é a função de cada cargo, é possível fazer a descrição da vaga e a avaliação da pessoa de maneira mais eficiente.

Ao elaborar uma vaga, a primeira coisa que terá que ser definida é qual tipo de programação será necessária. Existem desenvolvedores UX, que são responsáveis pela experiência do usuário, UI, responsáveis pelo design de interface, DevOps, que é o desenvolvedor de infraestrutura da empresa, e os mais comentados: Front end e Back end.

Um dev Front end é quem cria a interface da aplicação web. Já o Back end desenvolve os comandos por trás da tela. Existe ainda o Desenvolvedor Full Stack, que é mais comumente visto no mercado como a pessoa que atua com Front end e com Back end.

Alguns recrutadores tendem a querer estender o significado ao pé da letra do que é um Full Stack e esperam encontrar alguém que trabalhe em todas as stacks tecnológicas. Chamamos esse profissional de Desenvolvedor Unicórnio. Dizem que é um mito, mas ainda tem gente que considera que vale a pena procurar.

Tenha uma estratégia

Antes de sair em busca dos profissionais ideais para a sua empresa você deve estruturar internamente o que está sendo buscado. A fase de reflexão e planejamento é super importante. Descobrir no meio do processo que você não sabe realmente o que precisa pode ser bem frustrante e confuso, e contratar errado então, pior ainda: gera prejuízo e desgaste para toda a equipe atual.

Tudo é uma questão de organização. Saiba o que você precisa e o que está disposto a oferecer.

Nesse momento é importante ter bem definido como você quer estruturar sua equipe. Por isso, é essencial conhecer a fundo o seu produto, o que ajuda a delimitar o tamanho ideal do time e qual tipo de profissional será necessário.

Considerando qual é esse produto a ser desenvolvido, pode-se definir: quantas linhas de códigos serão utilizadas, quais linguagens de programação e qual é o custo e o prazo da aplicação. Se o recrutador da vaga for alguém que não entende muito de TI, é recomendável que busque ajuda especializada.

Ele pode consultar alguém que seja da área, ou se o negócio for diretamente dependente de tecnologia, é importante cogitar contratar um CTO. Essa pessoa poderá dimensionar o produto e entender com mais expertise as tecnologias empregadas e o tamanho da equipe necessária, além de gerenciá-la.

As pessoas que se juntarem à equipe nesse momento serão a base para outras contratações futuras e para o andamento do produto. É crucial pensar que tipo de pessoa seria ideal para comprar a briga junto com os fundadores e fazer a empresa prosperar.

Segundo o estudo O Panorama das Aceleradoras de StartUps no Brasil, o principal motivo de uma StartUp não ser selecionada para receber aceleração é por ter um time considerado inadequado para o desenvolvimento do negócio.

Quem contratar para a sua equipe de TI

Com a estratégia bem alinhada, já é possível buscar pelas pessoas que vão atender às demandas criadas. Se está sendo montado o time do zero, é ainda mais importante pensar de maneira estratégica. Provavelmente, será necessário ter primeiro pessoas que não precisem de acompanhamento constante, alguém com perfil de liderança e que seja auto gerenciável.

Neste ponto, o produto a ser desenvolvido já foi explorado e analisado e já devem estar bem definidas quais são as linguagens que essa pessoa precisa saber, qual é o nível de senioridade buscado, qual é o salário e benefícios que a empresa irá oferecer.

Já é então viável criar um conjunto de características técnicas requeridas e desejáveis.

Além disso, sempre levando em consideração o que foi dito sobre que tipo de organização você quer criar e incentivar e que ambiente de trabalho que é considerado ideal, pode-se pensar em um perfil comportamental pretendido. Se já existe uma cultura empresarial definida, ótimo! O perfil e soft skills do candidato certo deve se basear nela.

Para saber sobre o passo a passo e dicas práticas para contratação em TI você pode acessar o e-book Guia Completo para Contratação em TI

Erros mais comuns

É imprescindível considerar a pessoa como um pacote completo. Não dá pra gostar só da personalidade dela, da mesma maneira que não dá para a única habilidade dela ser em relação à técnica. É necessário dar atenção também às habilidades de escrita, comunicação, à maturidade e atitude da pessoa, a balança entre profissional e pessoal desejada e como eles interagem com colegas de trabalho.

Essas pessoas vão moldar a cultura da sua empresa. A cultura é mutável, mas a definição inicial, que acontece com os primeiros funcionários, é mais complicada de ser alterada de maneira não orgânica.

Outro erro comum é acreditar que o problema está resolvido e já pode relaxar só porque encontrou alguém que cumpra todos os requisitos e é perfeito para o cargo. Além de fazer a proposta, e muitas vezes ter que negociar o salário ou alguma condição específica, existem casos nos quais o dev aceitou a proposta, mas um pouco antes de iniciar o trabalho ele desistiu.

Pode ser por ter encontrado outra oportunidade mais atrativa, ou às vezes recebeu uma contraproposta. Não é recomendado fazer mais propostas do que o número de vagas existentes, mas é interessante continuar conversando com outros candidatos mesmo depois de ter feito uma oferta, até que tenha alguém ativo nessa posição.

Conclusão

Pode-se concluir disso tudo que montar uma equipe de TI do zero não é uma tarefa pequena, nem fácil. Mas que o primeiro passo é se organizar, entender sua própria demanda e traçar uma estratégia. É normal (e sensato) pedir ajuda quando for preciso. Os profissionais ideais estão por aí, tenha foco neles e pense grande.

Para as tarefas de recrutamento e seleção, é importante que tenha alguém, ou uma equipe, focada nessa função. Se a empresa ainda não tem um time de Recrutamento e Seleção, pode ser interessante procurar ajuda de alguém especializado.

 

Precisa de ajuda para contratar dev?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *