COV: Entenda o prejuízo em ter vagas abertas na sua empresa

Tempo de leitura: 8 minutos

O time de Recursos Humanos de uma empresa deve ter empatia. Mas também é importante não deixar de lado questões financeiras e foco no desenvolvimento do negócio.

Existe uma métrica na área de Recrutamento e Seleção que muitas vezes é subestimada, o COV – Cost of Vacancy.

O COV indica o custo gerado por vagas abertas. É considerando o período de tempo desde o momento que uma nova pessoa torna-se necessária, até o dia que começa a trabalhar na empresa.

Hoje, assim como a Vulpi, muitas empresas já reconhecem que as pessoas são seu principal ativo.

Logo, é essencial ter as métricas do RH bem definidas e acompanhá-las. Assim, é possível garantir excelência nos diversos processos que são de responsabilidade da área.

Por que calcular?

Calcular o COV para posições da empresa é crucial para que o time do RH e também o time Financeiro saibam do real custo de uma vaga em aberto. Podendo assim, dar a devida atenção para o assunto.

O custo real não é imediatamente aparente, por isso é fácil tornar se complacente.

O COV também é útil para saber o quanto é viável gastar no processo de seleção e contratação, sem achismos.

Muitas empresas caem no erro de pensar que uma vaga em aberto não é algo tão problemático, porque significa uma redução temporária nos gastos.

O salário dos funcionários é visto como uma despesa, não um investimento.

Mas, na realidade, uma pessoa está no quadro de funcionários para trazer retorno financeiro para empresa.

É esperado que traga de lucro para empresa de 1 a 3 vezes o seu salário.

Portanto, sem colaboradores não terá receita.

Todo o processo de recrutamento e seleção pode tomar um tempo mesmo. Nós, especializados no recrutamento e seleção na área de tecnologia, temos ainda maior noção de o quanto pode ser complicado achar o candidato ideal.

O importante é se empenhar para não demorar mais que o necessário.

Depois deste texto você vai perceber que ter uma vaga em aberto e rotulá la como “sem urgência” não faz muito sentido. 😅

Impactos

Além de impactos financeiros em relação a receita que o funcionário em falta não vai gerar, existem também os efeitos colaterais na equipe e na empresa como um todo.

Essa repercussão é sentida pelo time de funcionários, por cada profissional individualmente, pelos clientes, pelos concorrentes, pelos parceiros e no desenvolvimento e produtividade da companhia.

Podemos citar alguns destes impactos criados por vagas em aberto:

  • Os resultados de uma equipe que tem uma vaga em aberto são afetados pela perda de produtividade, perda de experiência e habilidades da pessoa em falta;
  • A quebra da rotina e da ambientação de um time com posições abertas atrapalha o foco e empenho do quadro atual de pessoas;
  • Vagas em aberto fazem com que funcionários tenham que lidar com um volume maior de trabalho, podendo ficar sobrecarregados;
  • Uma pessoa sobrecarregada porque sua empresa não preenche uma vaga tende a ficar frustrada, deixar a produtividade cair e estar mais suscetível a erros;
  • Funcionários que preenchem a lacuna de quem está faltando tornam-se responsáveis por atividades que não estão familiarizados. Acabam deixando suas próprias tarefas e metas de lado;
  • Quando a contratação de novos membros da equipe demora muito, os funcionários do setor podem se sentir desvalorizados pela empresa.

E não para aí…

  • Uma equipe com funcionário em falta requer maior atenção do seu gerente ou líder, impedindo o foco em outros assuntos estratégicos do negócio;
  • Ter muitas vagas em aberto ou a demora para fechar uma vaga pode passar para os clientes, parceiros e concorrentes a impressão de que sua empresa está fraca e vulnerável;
  • A demora no preenchimento de uma vaga e a falta de atenção com isso pode, em algum momento, trazer uma sensação de pânico e ocasionar a contratação de alguém desqualificado/a;
  • Vagas em aberto deixam gerentes e líderes receosos em demitir funcionários atuais que estão abaixo do rendimento;
  • Uma vaga em aberto pode significar subutilização de equipamentos e máquinas;
  • Posições em aberto na área de tecnologia podem barrar o desenvolvimento e inovação na empresa;
  • Um número alto de vagas em aberto também indica um enfraquecimento da cultura e employer branding, deixando todos da equipe apreensivos.

😯 

Como calcular o COV?

Em adição a tooodos esses pontos negativos de uma vaga em aberto, temos também o valor financeiro direto.

Infelizmente, calcular o COV de cargos específicos para a empresa toda é bem complexo. Por isso, muitas empresas optam por usar cálculos simplificados para um resultado aproximado.

Essas são algumas das fórmulas mais simples

Custo por contratação geral

Existe uma opção para quando você não tem uma vaga específica para considerar, mas quer ter noção de quanto custa uma posição desocupada na empresa.

Você pode pegar a média de quanto um funcionário gera para a empresa (que é a receita anual da empresa dividida pelo número de funcionários).

Divida esse valor pelo número de dias úteis no ano. 2019, por exemplo, terá 255 dias úteis.

Assim, você chega a um valor da receita média diária de um funcionário. Se a pessoa não está lá, não tem receita, e você vai perder esse valor a cada dia.

(receita anual / nº de funcionários) / dias úteis

Veja um exemplo fictício:

Uma empresa de tecnologia com 30 funcionários gera 3 milhões/ano.

Logo, dividindo pelos colaboradores, a média de faturamento por pessoa é de R$ 100.000.

Quando dividimos pelo número de dias úteis, temos aproximadamente R$ 392,00 perdidos em cada dia que a vaga ficar aberta.

Custo por contratação de vagas em específico

Outra fórmula que você pode aplicar é baseada no salário da vaga em aberto. Como já foi dito, é esperado que o funcionário gere retorno de 1 a 3 vezes o seu salário.

Nesse caso, o valor do salário da pessoa em um ano será dividido pelo número de dias úteis do ano e esse valor obtido será multiplicado por um número de 1 a 3, dependendo do grau de senioridade do cargo.

O número atingido representa quanto sua empresa está perdendo a cada dia que a vaga fica em aberto.

(salário anual / dias úteis) x 3

Veja outro exemplo fictício:

Sua empresa precisa de pessoas desenvolvedoras. Mais especificamente alguém Full Stack Sr, que mande muito bem em C#.

O salário dessa pessoa é de aproximadamente R$ 6.500.

No ano, é feito o investimento de R$ 84.500 (contando com o 13º) nessa posição.

Ao dividir o salário pelo número de dias úteis no ano conseguimos R$ 331,37.

E ao multiplicar este número por 3, considerando a senioridade e o retorno que se espera dessa vaga: R$ 994,11 perdidos por dia.

A partir do momento que você define um valor aceitável de COV, você está definindo quantos dias você pretende gastar no seu processo de seleção.

Como diminuir custo/tempo

Nesse caso, tempo realmente é dinheiro.

Existem algumas práticas que podem ajudar você a otimizar o tempo de contratação:

  • Opte por um processo o mais objetivo possível. Eliminar burocracias já é uma maneira de reduzir custos. Mas, claro, em contratações na área de tecnologia existem etapas, como o teste técnico, que necessitam atenção;
  • Tenha organizado um banco de dados de currículos de potenciais colaboradores. Faça isso antes mesmo de surgir a demanda e o mantenha assim;
  • Se necessário, consulte trabalhos anteriores. Pode ser que alguém não tenha passado para uma vaga por motivo extrínseco a ele e agora seja útil;
  • Postar a vaga em diferentes redes pode ser confuso e ocasionar retrabalho. Tenha a divulgação bem planejada.

Contratação estratégica

Muitas vezes, o tempo de vaga em aberto na área de tecnologia não é levado muito a sério. O COV da área pode ser difícil de ser quantificado, principalmente quando comparado com uma vaga na área de vendas, por exemplo.

Um novo estudo feito pela Glassdoor mostra que o Brasil é o país com processos seletivos mais demorados. Duram em média 39,6 dias. Foram consideradas mais de 84 mil avaliações.

Encontrar os desenvolvedores e programadores corretos pode ser complicado. E demorar nesse processo é perigoso e deixa o desenvolvimento da sua empresa estagnado. Então por que não ter o devido cuidado com a contratação de devs desde o início?

Calcule o COV, defina o orçamento para o seu processo de seleção e quanto tempo está disposto a gastar.

E se precisar de ajuda, maior agilidade e garantia, chame a Vulpi!

Com um time de Recrutamento e Seleção mais analítico e com maior conhecimento de custos e seus impactos, sua empresa pode reduzir riscos e incentivar que a equipe seja mais estratégica e eficaz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *